Sundry

Portugal in Briefs – Moral Grounds

By now you have heard of Portugal or you are living or holidaying here. Despite the number of foreigners these people insist on speaking their own language which makes it harder for you to understand what is going on. But we are here to help and we will do our best to provide a regular insight on what’s hot in the country at the moment.

July – Moral grounds

One of the hottest debates in the social media these days in Portugal revolves around the statements by a reputable doctor who claimed in an interview homosexuality is an anomaly and Cristiano Ronaldo a moral villain for having resorted to surrogacy to have three kids. Abortion is also an issue the man is strongly against. You probably won’t hear people talking about it much in the bus but if you take a look at the comment boxes in the online world you will see two clear sides of the divide. It is not easy to be a Portuguese these days, particularly when you grow older. Despite the best efforts to keep some order in the country the place is a mess. Where once there were households respecting the moral values of ore and the sanctity of family there are now men living with men, women kissing women, girls shagging like mad and making abortions and personalities having babies made in pairs. And it is not easy to be a catholic either. After centuries standing up for some standards now even the Pope claims people shall love who they want and thinks divorce is not that bad. As for the abortion at least there seems to be common ground between the hardcore catholics and the laidback Pope. It is not easy for a country to see such abrupt changes. Should men marry men, women make abortions and athletes order babies abroad then the native population might reduce dramatically (which in the case of homosexuality could be a good solution for the world’s overpopulation according to a witty text by Brazilian Porta dos Fundos’ comedian Gregório Duvivier). Now you know what is afflicting the man and heating the debate.

Carlos Tomé Sousa

ARCO returns to Lisbon

Photo: Rodrigo Gatinho

One of the world’s major contemporary at fairs returns to Lisbon from 18 to 21 May. The success of the previous edition, the existence of a booming art scene in Lisbon with new museums and galleries and the fact that Lisbon is now an appealing place for affluent world citizens were some of the reasons behind the decision to host ArcoLisboa 2017.

Lisbon takes center stage once again this year with ArcoLisboa, the second edition of a contemporary art fair that took thousands last year to the main building of Cordoaria Nacional and to a number of galleries scattered throughout the city. ArcoLisboa 2017 relies this year on the presence of 58 galleries from 13 countries, 8 of which are part of a new program under the name Opening and focusing on galleries less than seven years old. ArcoLisboa, which opens to the press and guests on May 17, was preceded one day before by a major open doors event at MAAT, the new museum of art and technology and whose architecture stands out right by the river and opposite to the main building where ArCO takes place once again. The location couldn´t be better, according to the organisation, considering the proximity with MAAT, the Electricity Museum and the exhibition of Oporto’s Museu Serralves collection just a couple of meters away.

Portugal will be rely on the presence of some of the most important galleries in the country from Cristina Guerra, Pedro Cera or Vera Cortês to Murias Centeno, Quadrado Azul, Fernando Santos or Pedro Oliveira along with the international galleries such as Elba Benítez, Juana de Aizpuru, Giorgio Persano, Nueveochenta, Vermelho, Monitor, Zak Branicka among others.

Museums will be represented also in this event by some of its representatives who will meet in a Meeting of European Museums and a meeting of Iberian-American museum directors for the occasion of Lisbon Iberian-American Capital of Culture 2017. This private meeting between directors of some of the world’s most important museums is commonplace at ArcoMadrid, the parent event that takes place every year in Madrid and which relies regularly and since the beginning on a strong presence of Portuguese visitors and Portuguese artists and galleries.

These are just some of the events that will move the city for nearly a week, offering art dealers and buyers the chance to discover some of the most interesting projects in contemporary art on the grounds of ARCO and in a number of galleries and side events taking place in Lisbon.

ArcoLisboa comes at a time when Lisbon is attracting hordes of tourists and affluent world citizens who now seek Lisbon as one of the preferred cities to buy a second or third home. Monica Bellucci, Eric Cantona or Michael Fassbender are just some of the names of prominent artists who are now a regular presence in the city after moving here for long periods of time. Even Madonna was spotted in Lisbon these days and was apparently here when the country celebrated the 100th year of the sighting of Fatima’s Madonna. These artists and the number of affluent people settling here, particularly French, was pointed out by the organisation of ARCO as a factor that could be there to assist the Portuguese art market.

Carlos Tomé Sousa

Presunção e água-benta

O dia 13 Maio vai ficar para a história por ter congregado num só dia três acontecimentos que galvanizaram o país, desde a visita do Papa à vitória do Benfica e que culminou com a vitória no Festival da Eurovisão. Uma dia marcado pela celebração de diversos credos.

Ainda o dia não tinha nascido e já os ecos da fé se faziam ouvir por todo o país no local ou transmitidos pela rádio e televisão. Numa pequena cidade do interior centenas de milhares de pessoas preparavam-se para mais um dia de verdadeira experiência sensorial, depois de uma noite de reflexão no cenário magnífico da procissão das velas. Vindas de todo o mundo e num ritual que se repete duas vezes por ano, para muitos as celebrações deste 13 de Maio tinham um sabor especial, abençoadas pela presença do Papa, um argentino directo e muitas vezes polémico e que já levantou mais poeira na Igreja Católica do que meio milhão de pessoas num descampado. Visivelmente emocionado apelou à paz no mundo, ao diálogo e à tolerância  e honestidade para connosco próprios e até mesmo a uma maior seriedade na forma como se recorre à Virgem. Os momentos de silêncio alternaram com momentos de júbilo e de saudação ao Papa que antes se comovera visivelmente durante a procissão do adeus, momento alto das celebrações e que não deixa ninguém indiferente, emoção em estado puro.

Mais a Sul e já com o país devidamente abençoado e por tão ilustre visita celebrava- se outro culto. No metro, a caminho do estádio cruzavam-se já peregrinos acabados de chegar e com as suas cadeiras de campismo com adeptos envergando a camisola vermelha do Benfica, provavelmente o clube de futebol com mais adeptos do mundo. A possibilidade do clube se sagrar tetracampeão movia milhões e a cor vermelha predominava por toda a parte. Ainda o jantar não estava na mesa e já meia nação voltava a entrar em êxtase desta vez com a vitória  esperada. Estava de novo instalada a comoção geral. Os abraços da paz na missa de Fátima davam lugar a abraços fortes, a gritos entoados um pouco por todo o lado. E se antes todos os caminhos iam dar a Fátima agora todos levavam ao Marquês de Pombal onde 200 mil pessoas celebravam em júbilo.

Com o jantar já bem regado, perto da hora da sobremesa um novo acontecimento voltava a agregar o país. De longe, de Kiev, começavam a surgir indícios de mais uma vitória, quase um milagre. Douze points, twelve points for Portugal ouvia-se na televisão colocada no máximo. E à medida que a noite decorria, a vitória afigurava-se cada vez mais como certa. Um rapaz de ar descuidado cantava uma canção de amor melancólica e estava em vias de conquistar meio mundo. O povo que já chorara de devoção e de emoção nesse mesmo dia seria uma vez mais movido por uma geral comoção. Portugal ganhava o Festival. Salvador Sobral somara pontos atrás de pontos e tentava com uma afirmação ganhar mais ao defender a música feita com sentimento, a música que ele considera verdadeira, como se a música não fosse um artifício para nos fazer sonhar ao som da voz ou do instrumento que mais nos bater. Herdeiro de uma tradição musical que vai beber muito a um certo nacional cançonetismo, à música brasileira e ao jazz quis ser um OVNI num festival ultimamente mais pop que romântico. Mas não foi. Num dia marcado por 3 verdadeiros encontros imediatos do terceiro grau teria ganho mais se não tivesse traído a sua simplicidade. Com um reparo infeliz e uma música que é bonita mas não é excepcional cuspiu na sopa de um evento que o recebeu bem e que o acarinhou… e que celebrava a diversidade. Com a sua aparente genuinidade não esteve nem de longe nem de perto ao nível de um Papa genuíno nem de um Benfica grande e que até o celebrou. Papa douze points, Benfica douze points, Sobral huit points.

Carlos Tomé Sousa

Lisboa basca

“El Laterio” é a mais recente atracção de Bilbau. Situado no bairro boémio desta cidade do país basco, este pequeno bar distingue-se pela sua oferta muito particular: sabores de Portugal e que vão das conservas ao vinho verde, passando por queijos e ginjinhas.

Lisboa está na moda por todas as razões e mais algumas, umas mais agradáveis do que outras. As ruas da cidade são percorridas diariamente por milhares de turistas que invadem ruas e ruelas, enchendo restaurantes e bares, esperando pacientemente pelos eléctricos e visitando lojas em buscas de produtos genuinamente típicos, uns mais genuínos do que outros. Há quem venha só picar o ponto, levando lembranças e souvenirs. E há quem regresse para rever locais e amigos, e respirar de novo o ar da cidade, levando mais a cada visita. Tensí Sanchez e Fernando Sanz inserem-se nesta última categoria. Publicistas e agitadores da vida social de Bilbau são presença frequente em Lisboa, cidade que trazem sempre consigo no coração. E foi com alma e coração que se propuseram levar um bocadinho de Portugal para a cidade onde habitam com os dois filhos. “Há muito que vínhamos alimentando esta ideia de abrir um espaço com a atmosfera típica de uma tasca portuguesa”, confidenciaram-nos numa das suas últimas visitas a Portugal, a poucos dias da concretização final do sonho de ambos e por entre reuniões com fornecedores e visitas a lojas onde procuraram alguns dos elementos que marcam agora a decoração deste espaço.

“El Laterio”, assim se chama o bar situado no bairro antigo e boémio de Bilbau, é o nome desse sonho tornado realidade, e que está a atrair um número crescente de clientes em busca de novos sabores, numa cidade cada vez mais concorrida e num país onde petiscar é desporto nacional. “Inspirámo-nos na ‘Sol e Pesca’ uma pequena loja/bar que serve apenas copos e conservas”, explicam Tensí e Fernando, os proprietários. A área deste pequeno bar não ultrapassa os 80m2 mas não é por isso que passa despercebido. Atraídos pela novidade são muitos os que deslocam agora Calle Aretxaga e a este bar com uma enorme sardinha de pano pendurada à porta. Gente que espreita, entra e experimenta ou repete alguns dos mais típicos sabores portugueses sobretudo sob a forma de conservas. Às anchovas, sardinhas, cavala e mexilhões em conserva juntam-se os queijos do Alentejo servidos aqui diariamente entre o entre o meio-dia e as 10 da noite. E a oferta não vai parar por aqui, já que a cada viagem a Lisboa surgem novas ideias de produtos.

Entrar no ‘El Laterío’, “é aceder a um bocadinho da capital portuguesa, mas sem sair do bairro mais boémio de Bilbau”, afirmam Tensí e Fenando. Para criar uma atmosfera em consonância com a oferta contaram com a colaboração do Estudio Lavela, responsável pelos interiores de alguns estabelecimentos de hotelaria da cidade. Mal entramos no bar somos recebidos por andorinhas que esvoaçam numa parede sobre bancos altos, enquanto na parede oposta um armário mostra um leque variado de latas de conservas com o seu design vintage, mesmo ao lado de um néon com a frase “Mar Português” alusão ao poema de Fernando Pessoa  reproduzido por baixo . Na rua, dois bancos rudimentares de madeira recebem os clientes, a lembrar o exterior de uma taberna de aldeia, ao lado da grande sardinha de pano  que indica que aqui há peixe e sabores portugueses, servidos por um casal de simpáticos espanhóis que deram forma aqui a um sonho antigo.

Carlos Tomé Sousa

Bye Bye England

The country that became the centre of pop culture is losing popularity thanks to the work of populists

Teresa May, the posh lady ruling Britannia these days, has just announced that the UK will start the procedures regarding the country’s exit from the European Union on March 29. What might come as a shock may actually come up for many as some relief. The UK has always been a grumpy mother-in-law, complaining about the food and disapproving the grandchildren’s company of strangers. Accustomed to rule a huge empire and to dictate the rules the country was never really a full part of the EU, detaching itself as much as it could from this union of European peoples. By now many foreigners have made their excuses and left and many more will follow, while many UK citizens are applying for EU citizenship. The country that once claimed to be the centre of the world is losing its appeal. One should not fight hatred with hatred but in the air remains a sense of doubt as to what will become of a country we grew to love for many reasons and as to how Europeans, and the rest of the world for the sake of it, will look at England from now on. Some of the flaws somehow tolerated in the English will now come up as precisely that, flaws. It’s inevitable. The country that became a centre of pop culture is losing popularity thanks to the work of populists. Such irony!

Carlos Tomé Sousa